terça-feira, 23 de maio de 2017

Propinquity






I, being born a woman and distressed

I, being born a woman and distressed
By all the needs and notions of my kind,
Am urged by your propinquity to find
Your person fair, and feel a certain zest
To bear your body’s weight upon my breast:
So subtly is the fume of life designed,
To clarify the pulse and cloud the mind,
And leave me once again undone, possessed.
Think not for this, however, the poor treason
Of my stout blood against my staggering brain,
I shall remember you with love, or season
My scorn with pity, —let me make it plain:
I find this frenzy insufficient reason
For conversation when we meet again.
Edna St. Vincent Millay



Propinquity had a special meaning at the time Edna used it. It meant there was a powerful force acting on a man and woman in close proximity compelling them to have sex. It also meant the presumption that a man and a woman living together were having sex. Thus a woman's reputation would be tarnished if she lived with a man - as his housekeeper, for instance.

I mention this because the dictionaries I consulted didn't make this meaning of propinquity clear. Also the word has been hijacked by psychologists to endue their beliefs.

Edna's candle burned brightly but it didn't last, as she predicted. "Youth's a stuff will not endure", as my mate Will put it.
SpokenVerse

segunda-feira, 22 de maio de 2017

domingo, 21 de maio de 2017

sábado, 20 de maio de 2017

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Coisas boas*

* Publicado hoje no Jornal do Centro


Em 17 de Maio de 2011, fez seis anos esta semana, a troika entrou por cá dentro com um cheque e uma receita amarga. Três duros anos depois, em 17 de Maio de 2014, ela foi-se embora. Desde então, pelo menos para já, tem havido juízo: o défice está controlado e não têm sido repetidas as loucuras que nos levaram ao buraco.

Portugal agora é só coisas boas:
— ele é a canonização dos pastorinhos após milagre devidamente esmiuçado pela vaticanista Aura Miguel;
— ele é a vitória de Salvador Sobral na piroseira eurovisiva após milagre devidamente presenciado em Kiev por João Carlos Malato;
— ele é o tetra encarnado após milagres de arbitragem devidamente denunciados por Bruno de Carvalho;
— ele é um forte crescimento da economia após milagre turisteiro devidamente calculado pelo INE.

Se continuarmos a crescer a este ritmo, ainda atingimos esta década o nível de riqueza que tínhamos em... 2008.

Os maus sentimentos estão fora de moda. Nas redes sociais, onde abundavam gatinhos e ódios, agora em vez de gatinhos há publicações cutchi-cutchi sobre os manos Sobral, em vez de ódios, a saia bem travada da dra. Assunção Cristas.

O país efectua afectos a um ritmo nunca visto. Não há zangas. Acontece um arrufo aqui ou ali, como nas autárquicas do Porto, nada de especial, nada que não caiba numa selfie de Marcelo com o pessoal, todo pancadinhas nas costas, a mostrar o marfim.

Portugal agora é só coisas boas: Monica Belucci e Michael Fassbender compraram casa em Lisboa. Uma casa cada um. 


Ela, na sua sala com vista para o Tejo, vê ininterruptamente o filme “Vergonha”. Ele, na sua sala com vista para o Tejo, vê ininterruptamente “Irreversível”.

Ainda os vamos ver aos dois dirigidos pelo maior cineasta português vivo: João Pedro Rodrigues.

Só nos falta agora um Óscar e que Fernando Santos, depois do europeu, nos dê o mundial.

O céu descai

Daqui



O céu descai; agora que alguém fez
dos nossos corações refinarias
Luís Miguel Nava


quarta-feira, 17 de maio de 2017

I want to know what it's like...



I want to know what it's like...
To be normal. To be accepted. To be human. To be equal. To be free.

I want to know what it's like...
To be open. To be heard. To be loved. To be happy. To be me.

I want to know what it's like...
To feel like I belong.
To feel like I am strong.
That who I am isn't wrong.
I want to know what it's like...
To know that I am here.
That Iʼll make it through the year.
To know I wonʼt disappear.

I want to know what it's like...
To not have to fight.
To see an end in sight.
To make what is wrong right.
I want to know what it's like...
To be able to believe.
In a higher power that doesn't see.
Me as sin or sodomy.

I want to know what it's like...
To have liberty & justice for all
To break down this dividing wall
To remove homophobia from the law
I want to know what itʼs like...
To have a feeling that isn't sad.
To have something that I've never had.
To have a child call me dad.

I want to know what it's like...
To not feel like Iʼm a freak
To not feel like I am weak
To not be silenced when I speak
I want to know what it's like...
To live beyond a closet door.
To see my father once more.
To show him I'm not who I was before.

I want to know what itʼs like...
To donate the blood from my vein
But because Iʼm gay I must refrain.
Why does my sexuality pertain?!
I want to know what itʼs like...
To not BE expelled from school
To not be made to look like a fool.
How is homosexuality breaking a rule?!

I want to know what it's like...
To undo what's been done to me.
To give sight to those who cannot see.
That I am no lesser of a human being.
I want to know what itʼs like...
To not be considered a disease.
To not have a majority I have to please.
To freely express my individualiTY.

I want to know what itʼs like...
To live in a land truly of the free.
Not a land that excludes me.
This is not how itʼs supposed to be!
I want to know what itʼs like...
To not be the target of bigotry
To not have you question my sanity
To not succumb to your superiority!

I want to know what it's like...
To overcome all of my fears.
To uncry these countless tears.
That have been shed over the years.
I want to know what it's like...
To learn about gay leaders of the past.
In my high school history class.
Can somebody please tell me what is so wrong with that?!

I want to know what it's like...
To have pride.
To not have to hide.
To not have to lie my whole life.
To not have my sexuality be denied.
I want to know what it's like...
To not have to feel this hurt inside.
To not think these thoughts in my mind.
To not contemplate suicide.

I want to know what it's like...
To have this pain in me subside.
To heal this wound that bleeds inside.
To get back the tears that I've cried.
To take back the years that Iʼve tried.
To bring back the life that has died.
To unite this world's divide.
To make change with stride.
To not stand below, but beside.

I want to know what it's like...
To have this choice you say is mine.
To have science & religion intertwine.
To have love be redefined.
I want to know what it's like...
To have a government that won't instate
Unfair laws that provoke hate
For fear society will disintegrate

I want to know what itʼs like....
To live in a world without hate.
A world that does not discriminate.
A world in which I can feel safe.
Whether I am gay bi or straight.
This is the world we must create!!!
These are the decisions we must make.
These are the actions we must take.
The time is now we cannot, we must not, we will not wait.

I want to know what itʼs like...
To have equal opportunity.
To know full equality.
To be one humanity.

I want to know what it's like...
To be treated equally by my peers.
To stand alongside every queer...
On the edge of a new frontier.

A frontier that no one will dictate.
A frontier where there will be no debate.
A frontier in which everyone can relate.
A frontier made up of love and not hate.

I want to know what it's like...
To open your eyes so you can see.
The way this world is supposed to be.
We arenʼt so different, you & me.

terça-feira, 16 de maio de 2017

The more loving one

Daqui



Looking up at the stars, I know quite well
That, for all they care, I can go to hell,
But on earth indifference is the least
We have to dread from man or beast.

How should we like it were stars to burn
With a passion for us we could not return?
If equal affection cannot be,
Let the more loving one be me.

Admirer as I think I am
Of stars that do not give a damn,
I cannot, now I see them, say
I missed one terribly all day.

Were all stars to disappear or die,
I should learn to look at an empty sky
And feel its total dark sublime,
Though this might take me a little time.
W. H. Auden


segunda-feira, 15 de maio de 2017

Violino d'amore


Daqui


Pensa che in un albero c'è un violino d'amore.
Pensa che un albero canta e ride.
Pensa che un albero sta in un crepaccio e poi diventa vita.
Alda Merini

domingo, 14 de maio de 2017

Contra o fundo

Daqui



Eu gosto da tua cara contra o fundo
circunstancial, ocupas o espaço por onde a rua
se intromete, as tuas pernas magras no passeio
como as de um fantoche que só mexe os braços.

Ao canto uma árvore fazia sombra pequena
na desconversa. Estavas mais ou menos
a dizer: nenhum futuro neste sofrimento.
O teu melhor ângulo.
Rui Pires Cabral


sábado, 13 de maio de 2017

A 13 de Maio, atrás da Sé de Viseu — aparição do CAOS



Detalhes aqui

Porque a noite

Fotografia de Alec Soth



– Para consagração da noite erguerei um violino,
beijarei tuas mãos fecundas, e à madrugada
darei minha voz confundida com a tua.
Herberto Helder






Não há gesto ou verdade onde não dormissem
tua noite e loucura,
não há vindima ou água
em que não estivesses pousando o silêncio criador.

Herberto Helder




E peço ao vento: traz do espaço a luz inocente
das urzes, um silêncio, uma palavra;
traz da montanha um pássaro de resina, uma lua
vermelha.
Herberto Helder

"And Now For Something Completely Different" (#143)



It's not enough these days to simply question authority,
you got to speak with it too.



Typography from Ronnie Bruce on Vimeo.

sexta-feira, 12 de maio de 2017

O carrossel europeu*

* Hoje no Jornal do Centro




1. Nas presidenciais francesas, o voto europeísta passou dos 18,2 milhões na primeira volta para os 20,8 milhões de votos da segunda volta que elegeram o presidente Emmanuel Macron; já os 16,4 milhões de votos anti-europeus da primeira volta mingaram para 10,6 milhões. De nada valeu a Marine Le Pen a ajuda de Jean-Luc Mélenchon que foi incapaz de apelar ao voto em Macron.

Por cá, o nosso bloco de esquerda, apoiante de Mélenchon, andou a chafurdar num “nem-nem” absurdo, como se fosse a mesma coisa a França eleger Macron ou uma xenófoba como Le Pen.

Depois do Brexit, a “Europa” tem conseguido resistir ao populismo. Resistiu em Espanha, três dias depois do referendo britânico, ao retirar um milhão de votos ao Podemos, resistiu na Áustria, na Holanda, agora na França, e vai resistir na Alemanha.

O social-democrata Martin Schulz está a perder gás, como se viu no domingo passado em Schleswig-Holstein, mas, quer venha a ser ele o novo chanceler ou Angela Merkel consiga o seu quarto mandato, nada de fundamental mudará na política do maior país da União Europeia.

É claro que a UE é um carrossel sempre em sobressalto: na Itália, o eurofóbico Movimento 5 Estrelas está à frente nas sondagens e quer eleições antecipadas. Como lembrou Andrea Rizzi numa extraordinária análise à eleição de Macron publicada no El País, não é a visível recuperação económica na “Europa” que parará a “Medusa” populista — se fosse assim, o pleno emprego e o crescimento obtido por Obama tinham eleito Hillary e não Donald Trump.

Trump e Putin puseram as suas fichas em Marine Le Pen (Putin meteu dinheiro também) e perderam. Vão perder mais vezes.

2. A ideia de candidatar António Carlos Figueiredo em S. Pedro do Sul é para o PSD mostrar solidariedade com o PS que, em Tabuaço, leva a votos João Ribeiro também a contas com a justiça?

3. E se, depois de tudo o que aconteceu, Oeiras elege de novo Isaltino Morais?

Um dia

Daqui


Um dia, gastos, voltaremos
A viver livres como os animais
E mesmo tão cansados floriremos
Irmãos vivos do mar e dos pinhais.

O vento levará os mil cansaços
Dos gestos agitados irreais
E há-de voltar aos nosso membros lassos
A leve rapidez dos animais.

Só então poderemos caminhar
Através do mistério que se embala
No verde dos pinhais na voz do mar
E em nós germinará a sua fala.
Sophia de Mello Breyner Andresen


quinta-feira, 11 de maio de 2017

Memórias do fogo

Daqui



Estou já entre sonhos de versos de terra
E em segredo esboço as memórias do fogo
Thanasis Hadzopoulos


A barbuda*

* Publicado no Jornal do Centro há exactamente dez anos, em 11 de Maio de 2007



1. Na Feira do Livro que o Teatro Viriato organizou, encontrei um pequeno livro,“A Barbuda”, de Manuela Lobo da Costa Simões, editado pela Avis Rara, em 2000.
     
O livro conta a vida de Eugénia Cândida da Fonseca Silva Mendes, Baronesa da Silva, viseense, moradora na Rua da Regueira (actual Rua das Bocas), senhora riquíssima e firme nas suas convicções liberais. Foi perseguida implacavelmente pelos miguelistas.
     
O livro cita o Padre Alvito Buela, no semanário miguelista “Defesa de Portugal”: “Se as mulheres são Malhadas [liberais] é porque perderam a vergonha; é porque não têm virtude; é porque são ímpias.”  
     
Para os absolutistas, o lugar das “ímpias” era no inferno se mortas, e na prisão se vivas. Eugénia Cândida esteve presa no Limoeiro e no Tribunal da Relação do Porto, de 1828 a 1832. Só saiu em liberdade quando as tropas de D. Pedro IV entraram no Porto.

2. A partir do tecto da escadaria principal do edifício da Câmara Municipal de Viseu, olham para nós, magníficos, vinte e quatro viseenses ilustres.
     
Muitas vezes nem reparamos naqueles retratos excelentes, distraídos que andamos com regulamentos e protocolos, taxas e loteamentos, licenças e petições, empreitadas e alvarás,... Era bom pararmos, uma vez por outra, naquela escada, a olhar para aquele tecto. É um dos sítios mais notáveis de Viseu.
     

Entre os vinte e quatro retratados há duas mulheres: a Baronesa da Silva e sua neta, a Viscondessa de S. Caetano.

O retrato da baronesa é a cópia duma tela de Almeida Furtado que, num desusado “hiper-realismo”, pintou em Eugénia Cândida um nada discreto bigode. “Barbuda” chamavam-na os miguelistas, maus como as cobras e com a língua venenosa.
     
Daí o título do livro que se lê com gosto e com proveito.

quarta-feira, 10 de maio de 2017

terça-feira, 9 de maio de 2017

Pedras

Fotografia de Andreas Heumann

é melhor não atirares pedras
ficares-te por essa tua caça
adicta
convulsa
aflita
A. Khimm


segunda-feira, 8 de maio de 2017

Dorme cá hoje





Dorme cá hoje. Tenho uma almofada a mais
feita de memory foam das televendas
onde a curvatura do meu crânio
já foi adivinhada.

Praticamos o modo bed and breakfast,
aceito dinheiro ou cartões
mas não te dou crédito,
em troca levo-te o café à cama.

Não estranhes este meu hábito
de deixar a luz acesa
para fingir que está alguém em casa
ou o outro de deixar
pernas e portas entreabertas
esperando que o último a sair
se lembre de as fechar.

Não espreites o quartinho dos arrumos,
onde guardo a esfregona,
os homens que corroem
e o óleo de cedro para móveis.

O meu chão irá ranger
quando o privares do teu peso;
por hoje, torna-te o homem-a-dias
que vem arejar este quarto alugado.

Descansa se ouvires o som de ossos
a estalar durante a noite;
são só os meus esqueletos
a dançar vitoriosos no armário.
Ana Bessa de Carvalho

domingo, 7 de maio de 2017

Alquimia

Fotografia de E. E. McCollum

Transformar
a fome
em alimento:

saber
fazer
do seu tormento

o íntimo
fermento
do poema
Teresa Rita Lopes

sábado, 6 de maio de 2017

"And Now For Something Completely Different" (#142)


Se gostas de animais
Cães de loiça
Que não sujem os quintais
Cães de loiça
São bobis bestiais
Cães de loiça


A terra

Também eu quero abrir-te e semear
Um grão de poesia no teu seio!
Anda tudo a lavrar,
Tudo a enterrar centeio,
E são horas de eu pôr a germinar
A semente dos versos que granjeio.

Na seara madura de amanhã
Sem fronteiras nem dono,
Há de existir a praga da milhã,
A volúpia do sono
Da papoula vermelha e temporã,
E o alegre abandono
De uma cigarra vã.

Mas das asas que agite,
O poema que cante
Será graça e limite
Do pendão que levante
A fé que a tua força ressuscite!

Casou-nos Deus, o mito!
E cada imagem que me vem
É um gomo teu, ou um grito
Que eu apenas repito
Na melodia que o poema tem.

Terra, minha aliada
Na criação!
Seja fecunda a vessada,
Seja à tona do chão,
Nada fecundas, nada,
Que eu não fermente também de inspiração!

E por isso te rasgo de magia
E te lanço nos braços a colheita
Que hás de parir depois...
Poesia desfeita,
Fruto maduro de nós dois.

Terra, minha mulher!
Um amor é o aceno,
Outro a quentura que se quer
Dentro dum corpo nu, moreno!


A charrua das leivas não concebe
Uma bolota que não dê carvalhos;
A minha, planta orvalhos...
Água que a manhã bebe
No pudor dos atalhos.


Terra, minha canção!
Ode de pólo a pólo erguida
Pela beleza que não sabe a pão
Mas ao gosto da vida!
Miguel Torga

sexta-feira, 5 de maio de 2017

IMI e IRS*

* Publicado hoje no Jornal do Centro


Fotografia Olho de Gato
1. Enquanto escrevo estas linhas, a “lã” dos choupos vai voltejando sobre a cidade de Viseu, parecem flocos de neve ao sabor do vento e dos decibéis demenciais do desfile académico. Pena ainda não haver aroma das tílias para atenuar o cheiro da cerveja.

Enquanto os urbanitas euforizam debaixo do azul do céu, as vinhas do Dão imploram por chuva. À falta desta, a câmara de Viseu vai regar cinco quintas com tinta do Festival de Street Art. Apesar de não haver “streets” nas vinhas, espera-se que este festival seja melhor do que o do ano passado.

2. Este Abril não teve águas mil, mas teve IMIs mil. O fisco é implacável. Os cofres municipais batem recordes sucessivos de receita neste imposto imobiliário criado, em 2003, pela dra. Manuela e o dr. Ruas.

Nada nele mexe a favor dos proprietários. Até o “coeficiente de vetustez”, indicador objectivo da idade da construção, só mexe se houver requerimento do contribuinte. A Deco fez as contas: em três anos, nas oitocentas mil simulações feitas na sua página, os contribuintes pagaram IMI a mais no valor de €92 332 498,93.

3. Está também em curso a liquidação de IRS. Não esquecer: cada câmara pode devolver até 5% de IRS aos seus munícipes. Infelizmente, no distrito de Viseu, só três concelhos — Armamar, Mortágua e Resende — é que o fazem. É uma boa oportunidade para fazer as contas: se não for de nenhum daqueles três concelhos, veja quanto é a sua “coleta líquida” e calcule em quanto lhe fica o seu presidente da câmara.

O presidente da câmara de Viseu não prescinde de dar uma talhada valente no nosso IRS. Diz ele que “60% da população do concelho não seria beneficiária directa de uma redução do IRS” pelo que prefere fazer “uma distribuição democrática desse valor”.

Lá isso é verdade — António Almeida Henriques distribui “democraticamente” esse valor em eventos borliantes para minorias e... 
... em bazófias publicitárias.

Uma brecha nas escrituras... e uma pequena injecção de bom-senso



quinta-feira, 4 de maio de 2017

Não desisti de habitar a arca azul

Fotografia de Olivier Valsecchi

Não desisti de habitar a arca azul
do antiquíssimo sossego do universo.
A minha ascendência é o sol e uma montanha verde
e a lisa ondulação do mar unânime.
Há novecentas mil nebulosas espirais
mas só o teu corpo é um arbusto que sangra
e tem lábios eléctricos e perfuma as paredes.
Aos confins tranquilos entre ilhas mar e montes
vou buscar o veludo e o ouro da nostalgia.
Deponho a minha cabeça frágil sobre as mãos
de uma mulher de onde a chuva jorra pelos poros.
Ó nascente clara e mais ardente do que o sangue,
sorvo o cálice do teu sexo de orquídea incandescente!
A minha vida é uma lenta pulsação
sob o grande vinho da sombra, sob o sono do sol.
Há bois lentos e profundos no meu corpo
de um outono compacto e negro como um século.
Com simultâneas estrelas nas têmporas e nas mãos
a deusa da noite, sonâmbula, desliza.
Ao rumor da folhagem e da areia
escrevo o teu odor de sangue, a tua livre arquitectura.
Prisioneiro de longínquas raízes
ergo sobre a minha ferida uma torre vertical.
Vislumbro uma luz incompreensível
sobre os campos áridos das semanas.
Elevo o canto profundo do meu corpo
sob o arco das tuas pernas deslumbrantes.
Escrevo como se escrevesse com os meus pulmões
ou como se tocasse os teus joelhos planetários
ou adormecesse languidamente no teu sexo.
António Ramos Rosa


quarta-feira, 3 de maio de 2017

Colosso


Nunca conseguirei juntar-te todo,
compor-te, colar-te e unir-te devidamente.
Zurros de machos, grunhidos de porco e cacarejos obscenos
saem dos teus lábios.
É bem pior que num curral.

Talvez te consideres um oráculo,
porta-voz dos mortos, ou de um outro deus.
Há trinta anos que trabalho
para dragar o lodo da tua garganta.
Pouco mais sei!

Trepando pequenas escadas com frascos de cola e baldes de lisol
rastejo como uma formiga de luto
sobre as terras cobertas de erva da tua fonte
para reparar as imensas placas do teu crânio e limpar
os túmulos brancos, vazios dos teus olhos.

Um céu azul saído da Oresteia
arqueia-se sobre nós. Ó pai, tu só
és vigoroso e histórico como o Forum Romano.
Abro a minha merenda numa colina de ciprestes negros.
Os teus ossos estriados e os teus cabelos como o acanto
[estão espalhados

na sua velha anarquia até à linha do horizonte.
Seria preciso mais que o golpe de um relâmpago
para criar tal ruína.
De noite escondo-me na cornucópia
do teu ouvido esquerdo, abrigada do vento,

contando as estrelas, rubras ou cor-de-ameixa.
O sol ergue-se sob o pilar da tua língua,
as minhas horas casam-se com a sombra.
Já não escuto o raspar de uma quilha
nas brancas pedras do desembocadouro.
Sylvia Plath



terça-feira, 2 de maio de 2017

Rosas

Fotografia Olho de Gato


Queria falar contigo,
dizer-te apenas que estou aqui,
mas tenho medo,
medo que toda a música cesse
e tu não possas mais olhar as rosas.
Eugénio de Andrade



segunda-feira, 1 de maio de 2017

Perguntas de um operário letrado*

Fotografia de Eugene de Salignac

Quem construiu Tebas, a das sete portas?
Nos livros vem o nome dos reis,
Mas foram os reis que transportaram as pedras?
Babilónia, tantas vezes destruída,
Quem outras tantas a reconstruiu? Em que casas
Da Lima Dourada moravam seus obreiros?
No dia em que ficou pronta a Muralha da China para onde
Foram os seus pedreiros? A grande Roma
Está cheia de arcos de triunfo. Quem os ergueu? Sobre quem
Triunfaram os Césares? A tão cantada Bizâncio
Só tinha palácios
Para os seus habitantes? Até a legendária Atlântida
Na noite em que o mar a engoliu
Viu afogados gritar por seus escravos.

O jovem Alexandre conquistou as Índias
Sozinho?
César venceu os gauleses.
Nem sequer tinha um cozinheiro ao seu serviço?
Quando a sua armada se afundou Filipe de Espanha
Chorou. E ninguém mais?
Frederico II ganhou a guerra dos sete anos
Quem mais a ganhou?

Em cada página uma vitória.
Quem cozinhava os festins?
Em cada década um grande homem.
Quem pagava as despesas?

Tantas histórias
Quantas perguntas

Bertolt Brecht



* Reedição