quarta-feira, 31 de maio de 2017

Respiro-te devagar

Fotografia de Emma Katka

respiro-te devagar
tenho medo da memória
da música e da inclinação da garganta

suspensos os dedos
curvos os beijos
o teu peito podia ser um navio.

então é devagar que eu chego
ao abrigo das palavras
debaixo de chuva
perdida no bosque.

não acordes. a tua presença é mais doce
quando te beijo doce. simplesmente.
Isabel Mendes Ferreira


Sem comentários:

Enviar um comentário